Dialogar para avançar

Na semana passada, a proposta de Reforma Trabalhista chegou ao Senado. Divulgada como uma saída viável para combater os índices alarmantes de desemprego e recessão, o projeto é injusto com os trabalhadores. Especialmente com os assalariados, cuja única forma de proteção a abusos é justamente a legislação em vigor.
Desde o 1º trimestre de 2014, o Brasil já perdeu cerca de 3 milhões de postos de trabalho com carteira assinada. Segundo dados do IBGE, o desemprego subiu para 13,7% no trimestre de janeiro a março deste ano, alcançando a maior taxa de desocupação da série histórica, iniciada em 2012, com o triste número de 14,2 milhões de desempregados no país. Isso significa um universo de trabalhadores sem poder algum para negociar salário ou condições de trabalho.
E é nesse contexto que a proposta prevê o poder do negociado acima do legislado. Uma forma injusta de impor aos trabalhadores a perda de direitos históricos como férias remuneradas, horas extras e até o Fundo de Garantia. A força do poder econômico não deve impor suas condições em um cenário repleto de brasileiros fragilizados.
Os alertas aos riscos que os trabalhadores correm estão vindo de todos os lados. O diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Peter Poschen, lembrou aos políticos brasileiros a existência de mais de 80 convenções da entidade determinando que uma lei deve ter mais valor do que um acordo coletivo. Não considerar essas convenções não me parece uma forma adequada de combater o desemprego.
Disposto ao diálogo, o Senado Federal abriu consulta pública para saber a opinião das pessoas sobre a reforma. Em um único dia, mais de 108 mil pessoas se manifestaram. Nada menos do que 96% disseram não concordar com a proposta. Essa rejeição não é por acaso. Até agora, a reforma trabalhista só trouxe notícias ruins para os trabalhadores. Afinal, retira direitos. Se retira direitos, é injusta.
É necessário apontar as falhas do que está proposto e dialogar com todos em busca de mudanças consensuais para modificar o texto que chegou ao Senado. A prioridade desse diálogo deve ser a busca por garantias de que a parte mais frágil das relações trabalhistas não pagará a conta da recessão. Não posso concordar com a reforma como está. Tampouco vou renunciar ao dever de criticá-la e melhorá-la.

 

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados


Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /home/n3w53343/public_html/renancalheiros.com.br/wp-content/themes/renan3/single.php on line 126

Para o MPF, delação só vale se citar Renan

Nesse inquérito, prorrogado pela 3ª vez, investigam-me porque um...

Há uma pedra no caminho

Continuo no hospital. Daqui, uma reflexão, como me comprometi,...

As coisas nos seus lugares

Não é verdade a informação que o Estadão me...

Renan apoia Coaf mais forte, mas sem uso político

O futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, anuncia que...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263