Fundo inoportuno

Enquanto o Congresso Nacional discute a possibilidade de criação de um fundo de financiamento público de estratosféricos R$ 3,6 bilhões, o governo revisa déficit, mostra que não consegue organizar as contas, anuncia a retirada de beneficiários do Bolsa-Família e o corte de R$ 10 no salário mínimo previsto. É o abismo financeiro mostrando-se cada dia mais profundo, enquanto o dinheiro que não existe para despesas essenciais ameaça chegar às campanhas políticas.
O financiamento público, da forma como está sendo discutido, mostra que está havendo inversão de prioridades, de valores e dos conceitos sobre o que é realmente importante para a sociedade. Não há justificativas aceitáveis para isso. Ainda mais quando todas as medidas econômicas anunciadas pelo governo punem pobres e se mostram totalmente ineficazes para resolver os problemas.
Sem rumo na área econômica e descumprindo as promessas feitas ao mercado, que ainda avaliza a permanência da equipe palaciana no poder, as decisões do Executivo na condução do país ficam menos respaldadas a cada dia. Ruim para o Brasil, muito pior para os brasileiros endividados e desempregados, que recebem a notícia de que de recursos que deveriam beneficiá-los podem passar a financiar as campanhas políticas.
Uma saída para esse cenário seria o retorno do financiamento privado, feito com regras claras, com limites de doações e segurança jurídica para todas as partes. Verdade que convivemos hoje com os problemas derivados desse tipo de financiamento. Mas é importante lembrar que países com índices de corrupção maiores do que o Brasil como Paraguai, México, Peru e Colômbia, utilizam justamente o sistema público de financiamento e vetam doações empresariais.
Não há exemplo algum no mundo que justifique a opção do Brasil por colocar tanto dinheiro público à serviço de campanhas políticas, ignorando o fato de que cidadãos possuem ideologias e devem escolher livremente se querem ou não contribuir. Impor aos brasileiros esse financiamento coercitivo significa aniquilar a possibilidade de aprovar uma reforma política que respeite e interprete o desejo da sociedade.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Os limites de cada Poder

A independência e a harmonia entre os Poderes foram...

Fundo inoportuno

Enquanto o Congresso Nacional discute a possibilidade de criação...

Reforma Trabalhista: a chance de redenção do Congresso

Esta semana o Senado Federal viveu um momento triste...

Invioláveis convicções

A separação dos Poderes consiste basicamente na forma clássica...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros, é um instrumento de divulgação das atividades da vida pública do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br irá agregar todo conteúdo de suas atividades políticas, onde os internautas poderão ter acesso a artigos, discursos, projetos, propostas, além de dados biográficos de sua carreira política. Para o senador Renan criar e manter uma página na Internet não é somente uma maneira de estar conectado com a modernidade, mas também é um meio de comunicação com o cidadão. É ainda uma forma simples e eficaz para divulgar suas ideias, posicionamento e opiniões; assim como sua agenda de trabalho.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263